Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

Tapa tapa

Diogo Agostinho, 07.11.11

 

Na passada sexta-feira, assinalou-se o segundo aniversário do ínicio de funções do executivo camarário que lidera hoje a cidade de Lisboa. 2 anos signfica metade do mandato. É tempo pois, para uma análise e algumas considerações do trabalho desenvolvido.

 

António Costa depois de dois anos de mandato atípico, leva já 4 anos de governação da cidade de Lisboa. Bem, 4 anos já é um...mandato completo. É pois mais que tempo para se notar o cunho pessoal do actual Presidente de Câmara. E o que dizer? Estamos perante um caso paradigmático na conjuntura política.

 

Quando ocupamos um determinado lugar devemos antes de qualquer questão ter vontade de o ocupar para fazer algo pelo lugar. Estar no lugar à espera que o tempo passe, ou vague uma nova cadeira, não costuma ser boa solução. Mas, para além de traçar objectivos, percebemos que Lisboa nem tem objectivos, nem tem coerência nos actuais governantes. António Costa, foi fazer o frete a Sócrates. Antes de ser número um, que número dois e lá foi ocupar o lugar para preparar o salto. Tudo ok no que a ambição diz respeito. Não fosse o caso dessa ambição matar a instituição que lidera. Ora, vemos hoje uma Lisboa triste e perdida. Há melhorias? Bom, a melhoria é a total ausência de debate, fiscalização dos media e cobertura mediática à volta do executivo camarário. Esta total ausência é por demais evidente. Ora, seria possível noutros tempos, um vereador faltar constantemente a reuniões de Câmara? Colegas de vereação discordarem entre si? Debates do executivo mal preparados e com discussões entre vereadores da maioria?

 

É de facto, caso para dizer tapa tapa para ninguém ver!

 

Hoje sabemos por senso comum, que a nossa vida, para além de todas as dificuldades está pior na cidade de Lisboa. É na rua, é no trânsito, é na ausência de ideias, para além de umas hortas e ciclovias, é até nas contas! Sim, os buracos empurrados para a ilha da Madeira, não podem nem devem tapar outros buracos que tais. No cartaz prometia Rigor. Ora, rigor é algo que por mais que esconda não tem. É na falta de decisão no que a prédios devolutos diz respeito e ainda quer, qual bom samaritano receber os prédios da banca para...gerir! Que real lata vinda de um tipo que nem a sua casa sabe gerir. Lisboa está perdida e note-se, o tempo de imputar as culpas aos outros já leva...4 anos.

 

Como o tempo passa, mas é verdade. Lisboa obra a obra continua a piorar!

4 comentários

Comentar post