Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

Eyes Wide Shut

Paulo Colaço, 11.03.08


Ele há coisas que me tiram do sério.
Hoje de manhã, na viagem para o trabalho (onde me encontro, embora não pareça, isto da advocacia tem estas vantagens) ouço na rádio duas declarações de Octávio Teixeira, fiel e empedernido comunista. Dizia ele que via com bons olhos que o PCP se apresentasse sozinho nas próximas eleições. Ou seja, sem aquele pseudo-partido de seu nome PEV. Isto estaria muito bem, aliás, muitíssimo bem, porque, como se sabe, o PCP, por força dessa "coligação" usufrui de vantagens económicas (o PCP recebe verbas por via da votação ficcionada de x no PEV, embora se ficcione que elas vão parar ao PEV). Digo estaria, não por ver quaisquer desvantagens na cisão, mas porque não acredito que tal aconteça. Portanto, neste ponto, kudos para Octávio Ribeiro (nunca pensei dizer isto), era bom ver se os eleitores têm tanto medo de ver PCP no boletim de voto, como tem o próprio PCP.

A segunda declaração é que me chocou. Clamava Octávio Teixeira que a manifestação de Sábado tinha sido uma grande vitória do PCP, e de como ela significava que o partido tinha ainda espaço para crescer. Falava quase como se de um jogo de futebol se tratasse, "não há outro partido com a mesma capacidade de mobilização" (soou-me a "não há clube como o Benfica", o que neste caso é verdade).

Ora partidarizando a manif, Octávio mostrou quão curtas são as vistas de um comunista. Em tudo o que ultrapasse a sua "infinita realidade" o mundo é um embuste. Não lhe ocorreu pensar que a maioria das pessoas que se deslocaram a Lisboa nem se lembraram se era ou não o PCP que ali estava, não se lembrou que é preciso ter um certo pudor quando se afirma que a CGTP (via FENPROF) é o "braço armado" do PC (ainda que o seja, não fica bem escarrapachá-lo nas nossas caras), nem tão pouco se preocupou com o insulto que isso representa para os milhares de professores que se possam sentir manietados pelo seu (dele, não deles) partido.
Brincar com as legítimas espectativas de uma franja da população tão estimável como os professores, vai sair caro, não tenho dúvidas.

P.S.(D): Paulo, é melhor começar a pagar multa pela incontinência verbal.

22 comentários

Comentar post

Pág. 1/3