Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

Olhe que não Senhora Ministra, Olhe que não!

jfd, 19.09.10

 

"Os adversários do SNS não ousam dizer que querem acabar com ele, têm uma forma mais sofisticada de o colocar em causa, que é dizer que querem o SNS mas que este não pode ser gratuito", afirmou Ana Jorge durante a sua intervenção no "Fórum Saúde - SNS - Serviço Nacional de Saúde, Um direito, Um dever", organizado pelo PS. A ministra lembrou que o SNS "nasceu por imperativo de justiça" e que "não há SNS sem acesso universal e gratuito".

Para Ana Jorge, "aqueles que a coberto da livre escolha dizem também defender o SNS o que querem na realidade dizer é que o Estado deve desviar o dinheiro dos impostos para o financiamento dos estabelecimentos privados".

"Com isso, aquilo que conseguem é que haja menos recursos para investir no serviço público, e com isso que o serviço público se reduza aos mínimos", sustentou.

A ministra considerou ser "incompatível" ter um serviço público reduzido aos mínimos com uma sociedade "progressista e moderna".

"Não podemos pactuar com qualquer visão que pretende criar dois níveis de cuidados de saúde, os quais se aplicam consoante a condição económica social de quem os utiliza", frisou. (...)

Assim se compreendem as pressões dos apoios a estas ideias, já expressas por agrupamentos do sector privado, alguns até instalados na proximidade do Dr. Pedro Passos Coelho. Quem assim pensa e procede não está do lado do SNS, está contra ele", alertou [Correia de Campos]. (...)

O que propõe não é a modernização, mas a destruição dos princípios que geraram o SNS", concluiu. (...) in SIC

 

Bem vou ignorar as insinuações irresponsáveis de Correia de Campos. Fica o trecho para vossa conclusão.

Quanto à senhora Ministra, cuja ideologia respeito mas na qual não me revejo, respondo;

 

Não, não é verdade.

O Projecto de revisão constitucional diz, de forma a não deixar quaisquer dúvidas que no que toca à saúde não pode “em caso algum, o acesso ser recusado por insuficiência de meios económicos”. No actual sistema, a gratuitidade é ilusória. Na verdade, no total de despesas no consumo das famílias Portuguesas, em média, 8% é destinado a saúde, a taxa mais alta da Europa. Então, se o Serviço Nacional de Saúde é Gratuito ou tendencialmente Gratuito porque são os Portugueses os que mais dinheiro gastam em saúde? Ao actual Governo fica bem o dito popular “olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço…”.

E há que ser rigoroso quando se fala no acesso ao Serviço Nacional de Saúde. Como é, por exemplo, a experiência de ir ao dentista num hospital Público? Com ou sem recursos financeiros, não existe até à data esse serviço, ou seja: quem tem recursos paga e vai ao dentista privado. Quem não pode pagar simplesmente não vai ao dentista porque não existe esse Serviço no SNS. São desafios que têm de ter solução. O Projecto do PSD reforça o acesso dos Portugueses – de todos os Portugueses – à saúde, reforçando assim os seus direitos fundamentais. O PSD defende que um bem social tão importante como a Saúde seja universal e geral. O Estado deve garantir a todos os Portugueses o acesso a uma saúde de qualidade. Este serviço poderá pertencer à rede estatal, social, cooperativa ou privada, mas será sempre inserido numa rede de serviço público. Nesta rede, os cidadãos terão liberdade de escolher o serviço que melhor se adapta às suas necessidades ou especificidades.

 

Eu continuo por compreender a dificuldade de certas pessoas, especialmente companheiros, em atingir e encaixar esta proposta. Há um deserto de contrapropostas. Mas propaganda contra existe muita. A socialista é genial; o PSD é o bicho papão que vai fazer a terra engolir os pobres. No que toca aos laranjinhas, gostaria de ver mais responsabilidade na crítica e mais realidade na assunção daquilo que é proposto e concretização em contrapropostas! Não é difícil Veja-se o exemplo da plataforma Construir Ideias. Recordo-me de quem dizia que qualquer um organizava jantares e debates de ideias.

Ora pois muito bem, onde estão? :P

48 comentários

Comentar post