Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

Estranho crivo...

Paulo Colaço, 10.01.08

No site do Público cada notícia dispõe de um espaço para comentários dos leitores. Não é costume consultá-lo mas, há cerca de duas semanas, bati lá com os olhos e fiquei perplexo. Vão contra a civilidade, correcção linguística e relevância. E vão contra as regras do Público de aceitação desses mesmos comentários. Diz o Público que não aceita:

1- Comentários incompreensíveis
2- Comentários de conteúdo ambíguo ou irrelevante
3- Comentários contendo acusações de ordem criminal a terceiros
4- Comentários contendo linguagem grosseira
5- Comentários escritos em maiúsculas
6- Comentários mal estruturados, com má pontuação e erros ortográficos, cuja publicação obrigaria a uma reescrita total.
7- Endereços de mail não válidos
8- Localidades inexistentes

Mais, o Público diz que “esta funcionalidade não foi criada com o objectivo de fomentar a discussão entre os leitores”, e que os “os comentários apenas são publicados após uma aprovação da equipa editorial” do jornal. O Público reserva para si o direito de “publicar ou não os comentários recebidos seleccionando-os segundo os seus critérios de importância, actualidade/oportunidade, interesse e qualidade”.

Agora vejam as pérolas (pequenos excertos TEXTUAIS) a que a distinta equipa editorial reconhece actualidade/oportunidade, interesse e qualidade:

TEMA 1:
Anónimo
Se este parvo estivesse de acordo com o governo era para admirar [sobre Alberto João Jardim]

Gil, Porto
Mais uma vez parabéns e bem haja, nunca se cale contra o xuxalismo e sua política. [sobre Alberto João Jardim]

Carlos GT, Aveiro
Como diz o povo "cu que has-de beijar não há que recear" [sobre Sócrates]

TEMA 2:
O Patego, Rebordosa
Pois... é o moleiro que não confia no burro, não vá este dar-lhe um coice, é o burro que não é de confiar ou o moleiro que não é confiável, deculpem baralhei-me todo. [sobre alguém]

ROLF
Porque será que NUNCA se pediu um Referendo para a Constituição de 1976 que esta sim dizia respeito MAIS DIRECTAMENTE à vida dos Portugueses? Porque nos impingiram uma Cosntituição dita Progressista SEM ME PEDIREM OPINIÃO? Basta de oportunismos politicos, vindos sempre dos mesmos! Para o ABORTO o PCP NÃO QUERIA REFERENDO! A RESPOSTA DO POVO JÁ NÃO INTERESSAVA!!!Agora já lhe convinha um Referendo ? Mais provas de oportunismo politico? [sobre o PCP]

Os Psicóticos e Psico-amigos validariam estes comentários?

20 comentários

Comentar post

Pág. 1/2