Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

PSD = Estado Social Possível ; PS = Falência

Ricardo Campelo de Magalhães, 06.04.11

 

Em 2009 o PS prometeu mais e mais e mais Estado Social.

Já a Economia Mundial estava a contrair, Portugal anunciava mais gastos sociais.

 

MFL alertava: não há dinheiro, há que ser realista

Os Portugueses não a ouviram.

 

Agora, Faliu.

Hoje, fez bem: reconheceu humildemente que precisava de ajuda.

Mas o dia de hoje não aconteceu por acaso. Era previsível.

A minha avó sabe: quem gasta, gasta, gasta... entrega-se aos usuários.

Durante todo este tempo, fez mal: quem dá o que não tem, não terá para quando fizer falta.

 

Curiosamente, foi pouco tempo depois da banca ter fechado a torneira.

"Ah e tal, foi prova de que há um cartel na banca"

Bem, a banca gosta de receber juros. Mas se uma entidade deixa de conseguir pagar, é função da banca zelar pelo dinheiro dos aforradores. Já falhou antes e ainda bem que não voltou a falhar. Cartel? O alinhamento é por necessidade, não porque decidiram todos não ganhar dinheiro e, numa onda de falta de ganância, recusaram-se a cobrar juros "usuários".

 

E agora?

Hoje garantiu-se que não há ruptura de tesouraria.

Dentro de momentos seguem-se as medidas para começar a pagara dívida Socrática.

O sonho do "Estado Social" levou-nos a isto.

 

Polvo à Sócrates

Ricardo Campelo de Magalhães, 24.03.11

(imagem com link)

 

Com a desgraça que se abateu sobre o país nos últimos anos (e que quer voltar!), RIR é o melhor remédio.

Então aqui fica: Polvo à Socrates.

É um povo low-cost, óptimo para enrascados, ou qualquer vítima dos diversos PECs.

 

Portugal não precisava destes PECs.

Se tivesse optado por uma Política de Verdade. Como foi pelo Oásis Rosa...

Agora, seja quem for o próximo 1º Ministro, vem aí o PEC4, o 5 e os que os Alemães quiserem.

Causa e consequência.

 

Como já conhecem o meu receituário, hoje publico o meu diagnóstico.

No  link a que acedem carregando na imagem está uma descrição que eu fiz, para Liberais Europeus verem, da crise que assola Portugal.

Quem ouviu Marques Mendes a apresentar o seu livro, reconhecerá a estrutura do post e as suas 4 crises.

Ele é óptimo na parte do diagnóstico (e no receituário político, a sua especialidade) e bebi inspiração dessa apresentação.

Aproveitei para os preparar para a música a concurso na Eurovisão (e pelos comentários por e-mail já ganhei para Portugal alguns votos).

Se tudo podia ser diferente. Poder, podia, mas é o país que temos.

Duelo de Credibilidade: Pinto da Costa Vs José Sócrates

Ricardo Campelo de Magalhães, 10.03.11

Obrigações do FCP rendem a 2 anos pouco mais de 6%

http://www.euronext.com/trader/factsheet/factsheet-4412-EN-PTFCPDOM0009.html?selectedMep=5

 

Obrigações do Tesouro rendem a 2 anos 6.37%

http://aeiou.expresso.pt/divida-juros-a-2-e-3-anos-disparam=f636884

 

A quem vocês emprestavam mais depressa dinheiro?

Quem vocês acham mais credível?

 

Pois, os investidores internacionais também andam indecisos.

Neste momento, Pinto da Costa é mais credível.

Mas será que na próxima semana Sócrates contará com Merkel para recuperar a liderança?

Como Libertar o Futuro: (II)

Miguel Nunes Silva, 12.03.10

A esquerda domina em Portugal. Este lado do espectro político manteve-se no poder com três visões governativas: a Soarista que recusava o radicalismo comunista e que prometia prosperidade pela moderação, a Guterrista que depois do colapso do bloco soviético garantia poder governar de forma liberal sem comprometer as preocupações sociais, e a Socratista que numa era sem ideologias ofereceu a imagem de um PM jovem, dinâmico e voluntarista, e que nunca se chegou a aperceber de que essas características são ainda mais importantes na sociedade que se propunha governar.

 

Mas a esquerda está exausta. A máquina de sonhos sobreaqueceu e já nem tem a capacidade de diferenciar entre lealdade partidária e apologia do conspurcado.

 

A fraqueza da actual esquerda, reflectida na sua juventude política sem causas, tímida e resignada tribuna de causas fracturantes, é outra das circunstâncias favoráveis que auxiliará à sustentabilidade governativa de um regime de centro-direita comprometido com reformas controversas.

 

Libertar o futuro consistirá então na tarefa de livrar Portugal de um endividamento estagnante e dotar o país dos meios necessários para que as novas gerações possam perpetuar o legado nacional.

 

A libertação do futuro terá dois obstáculos: o primeiro é o da perpetuação do sistema de segurança social e o segundo é a direita populista.

 

A perpetuação do sistema da segurança social é virtualmente impossível mas qualquer tentativa de o reformar contará com o alarmismo esquerdista, que facilmente contaminaria uma sociedade demasiado dependente do sector estado.

 

O populismo de direita poderá minar uma governação reformista pois contará com o barato argumento do atraso das reformas. O perigo de entrar em compromissos com a direita populista está em trocar preocupações nacionais por ganhos eleitorais. Por outras palavras, abandonar a visão de longo prazo pela de curto prazo.

 

Temores aparte, a janela de oportunidade para Portugal está mais uma vez entreaberta. Resta confiar que Portugueses e Sociais-Democratas estejam preparados para arejar a casa e livrar-se do cheiro a mofo da mobília cor-de-rosa.

Há coisas que nunca mudam.

nunodc, 26.02.10

O jornal i revelou hoje as respostas à pergunta “Depois dos episódios recentes relacionados com as escutas e o caso Face Oculta, mantém a confiança no primeiro-ministro?”, lançada a 50 personalidades portuguesas.

As 48 respostas publicadas (vamos assumir que houve 2 que não responderam) revelam que 16 não confiam no PM, 11 não sabem/dão o benefício da dúvida, e 21 mantêm a confiança no PM. E as respostas são do mais curioso que existe. 

Dos defensores do "não", destacam-se frases como ""O primeiro-ministro tem que ser um factor de confiança perante o exterior e agora acho que passou a ser um factor de desconfiança perante o exterior" (Rui Moreira), “Não e lamento. Há um conjunto de situações, de trapalhadas, sem explicação por mais explicações que sejam dadas. Não é por uma questão de ideologia política é por uma questão comportamental de Sócrates" (Nuno Ribeiro da Silva), “Neste momento só confio nos (poucos) amigos, na família e principalmente nos meus cães. E não sou desconfiada por natureza…” (Ana Bola), “Não confio em pessoas que desta ou daquela forma estão sistematicamente referenciadas como estando relacionadas com certos tipos de processos judiciais” (Saldanha Sanches).

Os "não sei" afirmam que “é necessário um esclarecimento completo para se poder responder. Os indicadores não lhe são favoráveis, mas até ao final do inquérito devemos dar-lhe o benefício da dúvida.” (Ângelo Correia), “Não posso confiar nem desconfiar de coisas sobre as quais não tenho informação. É uma situação muito estranha. Não sei… Estou à espera que me esclareçam.” (Victorino d'Almeida), “Não sei porque o primeiro-ministro me pede que eu acredite em coisas que não me parecem plausíveis, que são difíceis de acreditar.” (Rui Ramos).

Ainda assim, o que mais surpreende é a quantidade de pessoas que continuam a acreditar, e o porquê de tal. “Continua a merecer a minha total confiança. Nunca vi na minha vida uma campanha tão bem organizada para destruir uma pessoa.” (Eduardo Barroso), “Deus lhe dê forças para continuar o trabalho que está a fazer. Estas coisas da justiça, cada um no seu galho. José Sócrates foi eleito e não vi nada para que eu, pessoalmente, deixe de continuar a confiar nele.” (Joe Berardo), “Até agora não há provas que me levem a deixar de ter confiança. Tem havido muitas acusações mas provas não vi nenhuma.” (Loureiro dos Santos), “Sim porque não acredito na justiça nem nos magistrados.” (Miguel Pais do Amaral), "O primeiro-ministro tem-se sabido comportar dignamente relativamente a tudo aquilo que o têm acusado.” (Soares Franco).

  O que tem ainda mais piada..? José António Saraiva, director do Sol, afirmou hoje, que "ficou claro que o BCP queria decapitar a direcção do Sol (...) tenho a certeza absoluta que esta situação, pelo menos na recta final, foi comandada por Armando Vara. O BCP começou por ser nosso amigo, mas transformou-se num cavalo de Tróia". JAS afirmou ainda que se sente "chocado por haver pessoas responsáveis do PS a dizer que não se passa nada", e que "há um encobrimento do poder judicial sobre o poder político".

 

Há coisas que nunca mudam, realmente.

Haverá uma explicação?

jfd, 31.01.09

Maria Adelaide de Carvalho Monteiro, a mãe do primeiro-ministro José Sócrates, comprou o apartamento na Rua Braamcamp, em Lisboa, a uma sociedade off-shore com sede nas Ilhas Virgens Britânicas, apurou o Correio da Manhã. Em Novembro de 1998, nove meses depois de José Sócrates se ter mudado para o terceiro andar do prédio Heron Castilho, a mãe do primeiro-ministro adquiria o quarto piso, letra E, com um valor tributável de 44 923 000 escudos – cerca de 224 mil euros –, sem recurso a qualquer empréstimo bancário e auferindo um rendimento anual declarado nas Finanças que foi inferior a 250 euros (50 contos).

Leia mais pormenores sobre este caso, em exclusivo, na edição do CM deste sábado.

 

* passo a publicidade!