Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

PSICOLARANJA

O lado paranóico da política

‎'Agora se verá quem tem coragem'

Miguel Nunes Silva, 03.11.10

Hoje Manuela Ferreira Leite teve outra boa prestação na Assembleia da República.

 

A 'velha', a 'retrógrada', a 'cinzenta' enfrentou directamente toda a esquerda e ainda foi capaz de envergonhar o governo: ‎'Este governo está há 4 anos e meio com maioria absoluta, tinham mais que obrigação de terem resolvido o problema do qual se queixam!'

 

Vale a pena ver como Ferreira Leite expõe a demagogia da esquerda e a irresponsabilidade do PS. Uma senhora, MFL é uma mais-valia para o grupo parlamentar do PSD; não apenas ex-líder e deputada, hoje ela foi 'a deputada'

 

Interpelação a Teixeira dos Santos: http://videos.sapo.pt/jdcepLKgmGtt5zcM8LSo

O menor dos males

Miguel Nunes Silva, 13.10.09

 

 

Já todos sabemos que o PS vai governar fazendo acordos ad hoc. Não que Sócrates seja bom a negociar compromissos mas é matreiro e sabe virar a oposição uma contra a outra.

 

O propósito deste post é indagar sobre qual das esquerdas o PS devia escolher para trabalhar.

Na humilde opinião deste autor, o menor dos males seria mesmo o PCP.

Porquê?

 

Porque apesar de tudo, é um partido sério e menos utópico que o Bloco.

É verdade que os media já escolheram o BE há muito tempo como o seu favorito. No entanto, o Bloco é muito menos fiável a manter compromissos e também mais radical.

O Bloco pode querer disfarçar mas as suas cores fundadoras são o vermelho e o preto - as cores do anarco-sindicalismo. Louçã e o PSR são de índole Trotskysta e vão às reuniões da 4ª Internacional.

 

 

Nós de centro-direita temos pouco amor pela esquerda e ainda menos pelos seus extremos mas temos que admitir que o PCP é coerente e tem mais sentido de estado e mais responsabilidade que o Bloco. O PCP acredita nas forças armadas e na soberania do estado. Pode não as ver da mesma perspectiva que nós, mas há um denominador comum.

 

O BE por outro lado, é muito mais radical e consequentemente perigoso para qualquer partido que queira governar com um mínimo de seriedade e responsabilidade. O Bloco é uma formação pós-moderna de crenças insubstanciadas e princípios absolutos impraticáveis.

Já para não falarmos nos laivos de populismo, demagogia e política espectáculo que podem envenenar qualquer tipo de coexistência executiva.

 

Esperemos que entre dois males, a essência da democracia e do interesse comum leve o PS à margem sul em detrimento de ceder à tentação ali para os lados de Santarém...

 

Perigoso demagogo

Margarida Balseiro Lopes, 07.02.09

 

Estas declarações foram proferidas na Convenção do Bloco de Esquerda que decorre este fim-de-semana em Lisboa.
Aprendemos a viver em liberdade e muitos de nós não assistimos às atrocidades cometidas no PREC, como o estrangulamento da iniciativa privada e uma crescente “obesidade” do Estado na economia.
E, de Louçã já ouvimos muitas tontearias e demagogias. Porém, numa altura em que vivemos uma grande crise económica que se tende a tornar numa profunda crise social é preocupante e confrangedor assistir a este tipo de discurso.
Há muito que vejo em Louçã um perigo para a democracia.